Campanha ‘Agosto Lilás’ marca os 12 anos da Lei Maria da Penha


Várias cidades do Brasil estão aderindo à campanha “Agosto Lilás”, instituída pela lei estadual nº 4.969, de 29 de dezembro de 2016 juntamente com o Programa Maria da Penha vai à Escola, que objetiva sensibilizar a sociedade sobre a violência doméstica e familiar contra a mulher e divulgar a Lei Maria da Penha, aguçando percepção das crianças e adolescentes sobre o que caracteriza a violência, de forma que possam romper este ciclo.

Agressões como humilhação, desvalorização moral ou deboche público em relação a mulher constam como tipos de violência emocional e que muitas vezes são negligenciadas por elas mesmas. Há casos mais subliminares como o controle obsessivo de seus atos, isolamento da família e amigos ou espionar mensagens no celular e email.

A campanha também esclarece alguns pontos importantes de proteção como a violência sexual que vai além de forçar o sexo. Ou seja, obrigar a mulher a fazer atos sexuais que causem desconforto ou repulsa, como a realização de fetiches, também é considerada violência.

No caso da violência física, nem toda se resume ao espancamento. Também são consideradas como abuso físico, a tentativa de arremessar objetos, sacudir e segurar com força. Vale ressaltar, que não deixar a mulher trabalhar fora de casa, reter o dinheiro, destruir objetos ou ocultar bens também são crimes contra a mulher previsto na Lei Maria da Penha.

A campanha “Agosto Lilás” está sendo desenvolvida através de palestras gratuitas, divulgação nos meios de comunicação sobre os direitos das mulheres e o número para denúncias (180). O serviço funciona 24h por dia, todos os dias da semana e pode ser acionado no Brasil e mais de 16 países.A central acolhe denúncias e informa sobre os direitos da mulher.


99 visualizações0 comentário