Dia mundial do crochê é comemorado com exposição e dança em Japeri


Para comemorar o Dia Mundial do Crochê, em Japeri, a turma de zumba do município realizou nesta quarta-feira (12) uma animada apresentação na Praça Olavo Bilac, em Engenheiro Pedreira, com montagem de tendas para divulgar e comemorar a data mundialmente conhecida no meio artesanal. O crochê é uma espécie de artesanato feito com uma agulha especial, dotada de um gancho. Consiste em produzir um trançado semelhante ao de uma malha rendada.

Atualmente, Japeri conta com dezenas de artesãos e é considerada uma cidade rica em trabalhos manuais. Através do apoio das Secretarias de Cultura e de Esporte, Turismo e Lazer, muitas pessoas estão aderindo ao artesanato, com reconhecimento dentro e fora do município.“Nós, como economia solidária, temos várias crocheteiras, razão pela qual realizamos esse evento todos os anos. A ideia é fomentar a economia local, fazendo trocas e também com nossa barraca na feira, aos finais de semana. Estamos presentes também em todos os eventos do município, uma ajudando a outra”, comentou a coordenadora do Fórum de Economia Solidária, Gilza Rosa.


Fátima Garcia, de 64 anos, levou diversos produtos para a exposição, como tapetes, blusas e enfeites de cabelo. Para ela, o crochê é sua paixão. “Eu vejo como forma de lazer, renda e até antiestresse. Aconselho a começar jovem, para quando chegar na minha idade estar madura, com a cabeça boa, livre de problemas, como a de depressão. Hoje, com 64 anos, me sinto uma menina e o crochê tem me ajudado muito”, declarou a artesã japeriense. A apresentação de zumba, que abriu o evento, foi direcionada pela professora Renata Santana. Há dois anos, ela ensina a modalidade da dança no município. “Isso aqui é vida. A alegria das meninas mostra o quanto isso contribui, não só para o bem físico, mas psicológico também”, garantiu.“Eu estava em casa, sedentária, sem fazer nada, com dores pelo corpo todo. Quando comecei a zumba, acabou tudo isso. Estou com 50 anos, mas com energia de 20”, declarou Tânia Silva, moradora do bairro Santa Amélia.

A aposentada Maria Severina, de 74 anos, mostrou que exercício físico não tem idade. Além de participar da dança, ela faz mais três atividades oferecidas pela Prefeitura de Japeri. “A zumba faz uma higiene mental e traz saúde física. Eu gosto de aproveitar tudo, então faço caminhada, zumba, tai chi chuan, capoeira, dança de salão, tudo que tem em Japeri eu aproveito”, contou. As aulas de zumba da professora Renata acontecem às segundas-feiras, de 9h às 10h, na Quadra do Alecrim, e às quartas-feiras, de 8h às 9h, no Espaço Cultural da Feira.


9 visualizações0 comentário