Minha Baixada ganha novo colunista - Prof. Dr.º Ivanir dos Santos


É com muito orgulho que anunciamos em nossos quadros de colunistas, o professor doutor, Ivanir dos Santos. Ele é pós- doutorando em História Comparada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (PPGHC/UFRJ). Doutor em em História Comparada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (PPGHC/UFRJ. Pedagogo pela Notre Dame. Membro da Associação Brasileira de Pesquisadores Negros (ABPN), onde coordena a área de pesquisa Experiências Tradicionais Religiosas Espirituais e Religiosidades Africanas e Dispóricas, Racismo e Intolerância Religiosa. É pesquisador do Laboratório de História das Experiências Religiosas (LHER-UFRJ) e no Laboratório de Estudos de História Atlântica das sociedades coloniais pós coloniais (LEHA-UFRJ). Coordenador da Coordenadoria de Religiões Tradicionais Africanas, Afro-brasileiras, Racismo e Intolerância Religiosa (ERARIR/LHER/UFRJ); Conselheiro Estratégico do Centro de Articulações de População Marginalizada (CEAP); Interlocutor da Comissão de Combate à Intolerância Religiosa (CCIR); Conselheiro Consultivo do Cais do Valongo; Vice-presidente da América Latina no Conselho Internacional African traditional religious organizations, the Ancient Religion Societies of African Descendants International Council (ARSADIC), Nigéria. Tem experiência nas seguintes áreas: Educação Étnico-racial e questões africanas; Direitos Humanos e Cidadania; Relações Internacionais; Religiões tradicionais da África Ocidental e Afro-brasileiras. Pelo extenso perfil já dá para imaginar o que vem por aí né. Em seu primeiro artigo ele já irá falar do polêmico tema das cotas no Brasil.

Porque precisamos de cota?

As políticas de cotas ainda é motivo de grandes discussões dentro da sociedade brasileira. Seja para os ingresso em universidades publicas ou em concursos públicos, o tema cotas gera polemicas, dúvidas e falsos entendimento. Bom, primeiramente precisamos compreender que cotas para as minorias representativas, negros e índios, cotas não é um privilegio. Mas sim uma tentava de reparação de séculos de exclusões sociais, intolerância, escravidão e cerceamentos dos direitos. Talvez seja um pouco difícil para uns e outros enxergar que, SIM, o Brasil é um país racista e classista e fomenta, indiretamente, a construção de uma segregação velada, pois até o presente momento, ainda, não temos uma lei formal que obriga a não convivências de negros e brancos nos mesmos espaços. Tal dificuldades advêm dos forjamentos históricos que construir o Brasil sobre a falsa ideia de democracia racial, onde negro, brancos e indignas convivem pacificamente!

Ora, a trágica experiência da escravidão negra africana, e seus descendentes, em solo brasileiro é ímpar! Ou seja, muitíssimo diferente da escravidão nos Estados Unidos ou em qualquer outro país que se valeu do trabalho de homens e mulheres negros na condição de escravo. E é essa falsa sensação de igualdade racial que conduz a uma falsa premissa de que não precisamos de cotas! Precisamos evidenciar que a presença dos nossos corpos negros em repartições publicas, cargos majoritários ou até mesmo no Supremo Tribunal Federal é ínfima ou quase nenhuma.

Cotas raciais para mulheres e homens, em qualquer concurso publico, não é privilegio mas sim o resultado das lutas e resistências das comunidades negras contra o racismo, contra as intolerâncias, contra a opressão e em o prol de uma sociedade onde negros e brancos possam ter acesso e garantia sobre os mesmos direito. Precisamos rememorar que o Brasil sempre teve cotas de 100% para não negro e para NÓS, restavam apenas as parcas migalhas da dita "democracia racial". Daí vem a pergunta " Que país é esse?" onde os acessos das minorias representativas são colocadas como "privilégios" e os o privilégios das são chamados de direitos.

"Que país é esse?" onde nossas lutas e resistências são pautas e colocadas como uma horda negra."Que país é esse?" que vê como normalidade os altos índices de casos de homicídios de jovens negros. " Que país é esse?" que acha graça os festejos das caras de black face, se diverte com as mazelas sociais e tenda ludibria com pão e circo as reais questões da nossa sociedade!!

#cotas #negros #segregaçãoracial #IvanirdosSantos

24 visualizações

Quem somos

O Estúdio de Criação  foi criado como micro empreendedorismo Individual - MEI em 2010 número:  12.649.813/0001-96 tendo como diretora executiva a jornalista e radialista Dine Estela que atua neste mercado há mais de 20 anos.  

 

                                                                                         Canal de Notícias

           “MINHA BAIXADA”

Este é um dos canais de divulgação próprios da empresa “Estúdio de Criação -  MINHA BAIXADA” que consiste na produção de um site atualizado diariamente com notícias de toda a Baixada Fluminense. O site conta ainda, com colunistas que falam sobre diversos temas e ainda uma  TV WEB com matérias em vídeo, além da produção de um jornal mensal, formato tablóide estendido (tabloide americano)  com tiragem de 25 mil exemplares e distribuição gratuita em toda Baixada Fluminense e Região Metropolitana do Rio de Janeiro.

Diretora presidente: 

Dine Estela (jornalista responsável)

Diretor Comercial:

Fabrícius Custódio Caravana

(advogado)

Colaboradores:

Claudia Maria (jornalista)

Paula Menezes 

Alex  Soares

Professor Jorge Dahl

Leandro  Batista

Sheila Firmino

  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Instagram Social Icon
             SIGA-NOS
Contato
minhabaixada@gmail.com
21970387270 
This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now