Magé:


Segunda suspeita de crime ambiental em Magé em apenas uma semana


Na tarde da última quinta-feira (14), a Guarda Ambiental retirou cercas de loteamentos que estavam sendo preparados para construção, numa Área de Preservação Permanente (APP), no Remanso do Suruí. A Secretaria Municipal de Meio Ambiente comprovou o crime ambiental, mas ninguém foi encontrado no local.

As APPs são protegidas, cobertas ou não por vegetação nativa, com a função ambiental de preservar os recursos hídricos, a paisagem, a estabilidade geológica e a biodiversidade, facilitar o fluxo gênico de fauna e flora, proteger o solo e assegurar o bem-estar das populações humanas. Destruir e danificar essas áreas, mesmo que em formação, é crime previsto na Lei nº 9605/1998, que dispõe sobre as sanções penais e administrativas derivadas de condutas e atividades lesivas ao meio ambiente.

“Nosso dever é cuidar do meio ambiente. A Guarda Ambiental está fiscalizando todas as denúncias, autuando, multando e tomando todas as providências para que a nossa fauna e flora não sejam prejudicadas pelo homem. Contamos com o apoio da população para denúncias. Qualquer atividade suspeita, o mageense pode entrar em contato conosco para a que a gente possa averiguar. Não precisa ter medo, reservamos a identidade da pessoa que denunciou”, garantiu o secretário de Meio Ambiente, Luciano da Cruz.

Nesta quinta-feira (14), a Guarda Ambiental interditou e aplicou multa em uma empresa que despejava material químico no Rio Santo Aleixo, após denúncia dos moradores. Leia mais.

As denúncias podem ser feitas através do telefone (21) 2647-1214, ou na sede da Secretaria, localizada na Estrada das Margaridas s/nº, Santa Dalila – Suruí. O funcionamento é de segunda a sexta-feira das 9h às 17h.

#crimeambientalemMagé #fiscalizaçãoapas

16 visualizações0 comentário