Os ciganos não se resumem à dança ou religião


A Dança cigana expressa a cultura de um povo com origem discutível. Mesmo que exista um documento que diga que os ciganos são provenientes da Índia, há uma grande discussão em torno desta origem, conta a professora e pesquisadora da cultura, a iguaçuana Lu Barcelos.

Lu explica que para ministrar suas aulas, foi preciso fazer uma grande pesquisa de campo para entender a cultura deste povo tão rico e misterioso. “Para aprender a dançar uma dança específica é importante você conhecer a cultura daquela dança, a sua origem, a sua importância na sociedade, por isso eu levo meus alunos pelo mundo afora, para mostrar a beleza da cultura cigana que não se resume a roupa, dança e religião”, destaca Lu Barcelos.

Lu é professora e pesquisadora de dança cigana há mais de 15 anos, e já acumula os tricampeonato por três anos consecutivos (2015, 2016 e 2017) na categoria solo cigano e o bicampeonato consecutivo na categoria grupo cigano no Mercado Persa, maior evento de danças orientais e ciganas da América Latina, realizado em São Paulo, onde conquistou este ano também (2019) premiação na categoria ‘pais e filhos’, ao lado da filha Karisha Hadjara. O último prêmio conquistado pela profissional foi o “Destaque Baixada 2019”, concedido pela ALP Editora Produções Artísticas e Culturais.

Lu Barcelos começou a dançar com apenas 3 aninhos, mas foi na adolescência que se encantou pela dança cigana. Ela já viajou para os Balcãs, Espanha, entre outros países para conhecer a fundo a cultura e já se apresentou em vários países como Chile, Suíça e Grécia. Atualmente ministra aulas na Escola de Dança: “Oriente-se Arte e Cultura” (escola registrada no CID – UNESCO) Centro de Nova Iguaçu e pretende viajar para a Grécia ainda este ano para realizar novas pesquisas.

Lu também já apresentou workshop para dançarinos de vários países como o 50th Word Congress CID – UNESCO” (Atenas – Grécia 2017) e “Rumba Cigana na Espanha” no 51th Word Congress CID – UNESCO (Atenas – Grécia 2018), que reúne profissionais da dança de várias partes do mundo e faz parte do Conselho Internacional de Dança CID – UNESCO, além de também fazer parte do Conselho Internacional da Dança Cigana tradicional no Brasil pela União Cigana do Brasil.

Com grande atuação na Baixada, Lu já foi coreógrafa "Coreógrafa da Ala Cigana da "Tzara Ramirez" na Escola de Samba Beija Flor de Nilópolis (2013) e Comissão de Frente (Cigana) da Acadêmicos do Boi de Nova Iguaçu (2014).Conheça um pouco mais desta brilhante moradora da Baixada no programa “Depois do Café eu me expresso” desta semana.

#dançacigana #LuBarcelos #Baixada #Premiada #DepoisdocAféeuMeexpresso

74 visualizações0 comentário